Receita Federal lança operação contra fraudes nas importações

Receita Federal lança operação contra fraudes nas importações
A Operação Maré Vermelha, anunciada como a maior da história do país, é um pente fino em portos e aeroportos que aumentou o rigor da fiscalização.

À procura de irregularidades, a Receita Federal lançou a maior operação da história contra as fraudes nas importações.

A movimentação de cargas nunca foi tão grande no Porto de Vitória. Foram 8 milhões de toneladas só no ano passado. Uma mostra do crescimento das importações no país, que segundo a Receita Federal, foi de 24% em 2011. Mas como fiscalizar tanta mercadoria que vem de fora? Na maioria dos casos, só é feita uma checagem na papelada da importação. Desse jeito, muitos produtos entram no país de forma irregular.

“É uma forma que o importador encontra de pagar menos impostos. Assim, o produto fica mais barato, e com isso ameaçando a indústria nacional”, ressalta o presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (FIES), Marcos Guerra.

Para evitar fraude nas importações, este ano a Receita iniciou a Operação Maré Vermelha, anunciada como a maior da história do país. É um pente fino em portos e aeroportos que aumentou o rigor da fiscalização. Vistorias, em que os auditores da Receita mandam abrir um container para olhar mais de perto o que tem lá dentro, ficaram muito mais frequentes.

“A abertura de contêineres para conferência física auxilia na identificação dos produtos, na verificação, se aquilo que foi declarado realmente confere com aquilo que foi trazido pelo importador”, destaca o chefe da alfândega de Vitória (ES), Flávio Passos Coelho.

O alvo principal da Receita Federal são bens de consumo, como produtos eletrônicos e vestuário. O resultado de um mês de operação em todo o país é um aumento de 800% no volume de importações retido com suspeita de irregularidade.

“Pode acontecer em importações em portos, aeroportos, que é a natureza da Operação Maré Vermelha, mas pode acontecer com contrabando físico também, que ingressa pelas nossas fronteiras”, afirmou o subsecretário da Aduana, Relações Internacionais da Receita, Ernani Argolo Checcucci Filho

A Receita Federal também promete ampliar o pessoal trabalhando na operação, porque fiscalização mais rigorosa também representa mais demora na liberação dos produtos. Em alguns portos do país, já começa a faltar espaço para guardar tanta carga à espera de liberação.

Jornal Floripa Notícias

Anúncios

Aquecimento da economia eleva importações

2 de maio de 2012 – O aquecimento da economia interna brasileira é responsável pelo aumentos nos gastos em compras internacionais avaliou hoje o secretário-executivo do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Alessandro Teixeira. “A dinâmica da economia interna tem sido mais forte que da economia externa. É normal que a importação continue elevada, já que importamos bens necessários para a produção de bens finais, que têm mantido a economia brasileira”, disse.

De janeiro a abril, as importações brasileiras somam US$ 71,328 bilhões, um aumento de 3,4% sobre o mesmo período do ano passado. Do lado das exportações, no mesmo período, o crescimento foi mais modesto, 2%. No acumulado do ano, as vendas externas somam US$ 74,646 bilhões.

Diante de um cenário de instabilidade econômica internacional, é “normal” que o Brasil sinta dificuldade nas exportações. “É normal que o front externo esteja com maior dificuldade porque (a economia) da Europa é ponto de interrogação, (economia) da Ásia é ponto de interrogação e Estados Unidos está se recuperando agora”, explicou Teixeira.

O secretário-executivo acredita que a meta de exportações de US$ 264 bilhões do governo para 2012 é compatível com o atual cenário. “Nossa previsão de aumento de 3,1% é realista com o cenário difícil. Nossa análise é muito pé no chão. Não é meta fácil, vamos ter que colocar esforço razoável, mas é meta factível. Se melhorar o cenário a tendência é melhorar ( a estimativa), acho difícil o cenário piorar”, disse. No ano passado, a meta foi de US$ 257 bilhões.

(Agência Brasil)

Após superávit, China deve elevar importações

Agência Estado

A China deverá implementar medidas para aumentar as importações após o país registrar  um superávit comercial de US$ 5,35 bilhões em março, disse Wei Yao, economista para a China da Société Générale. “Olhando para os números de importação fracos, (a China) provavelmente pode implementar algumas medidas para promover importações, tal como o corte em tarifas de importação, ou o incentivo a algumas importações de alta tecnologia”, afirmou a especialista.

Em geral, os dados de comércio divulgado são “muito preocupantes”, porque confirmam um certo grau de desaceleração interna e refletem uma correção em curso no mercado imobiliário chinês, ponderou Wei Yao. Em termos de política monetária, os dados “devem empurrar as autoridades para um afrouxamento ainda maior” com prováveis cortes, em abril, nas taxas de reservas exigidas para os bancos, disse.

O crescimento das importações mais fraco do que o esperado derrubou os mercados chineses. O índice Shanghai Composite da Bolsa de Xangai caiu 0,92% no meio do sessão, aos 2.264,74 pontos. “O declínio acentuado das importações da China sugeriu enfraquecimento da demanda interna, levantando preocupações sobre a economialocal”, explicou Zhou Xu, um analista da Nanjing Securities. As informações são da Dow Jones.

Importação supera exportações

AGÊNCIA ESTADO

Brasília, DF – Apesar do superavit comercial acumulado em março, as importações brasileiras estão crescendo em um ritmo maior que as exportações. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as compras de produtos importados subiram, pela média diária, 5,7% neste mês em relação a março de 2011. As exportações, pelo mesmo critério, registraram alta de 4,3%.

A média diária das importações até a quarta semana de março deste ano foi de US$ 892,8 milhões, ante US$ 844,5 milhões em março de 2011. Aumentaram as compras brasileiras no mercado externo, principalmente de adubos e fertilizantes (43,4%), farmacêuticos (24,2%), instrumentos de ótica e precisão (16,8%), siderúrgicos (15,1%), combustíveis e lubrificantes (14,8%) e químicos orgânicos e inorgânicos (6,5%).

Nas exportações, a média diária até o dia 25 de março foi de US$ 957,5 milhões, ante US$ 918,4 milhões em março de 2011. As vendas externas de produtos básicos e manufaturados subiram 12,3% e 0,3%, respectivamente, enquanto que as exportações de semimanufaturados caíram 12,7%.

Caem as vendas dos importadores filiados à Abeiva

As empresas filiadas à Abeiva – Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores fecharam o mês de fevereiro com queda de 8,2% em suas vendas se comparado a janeiro último. Foram emplacadas 10.430 unidades contra 11.367 veículos no primeiro mês do ano. Em relação a fevereiro de 2011, foi anotada queda de 12,3%: 10.430 unidades ante os 11.895 emplacamentos de igual período de 2011.

 

O mercado interno, com 235.896 unidades emplacadas, também sofreu queda em fevereiro último contra janeiro de 2012. A queda significou 6,6% [235.896 contra 252.697]. Em relação a janeiro de 2011, o mercado interno também sofreu queda de 8,9%.

Por conta da queda de 8,2% no mês passado, ante janeiro de 2012, as associadas à Abeiva passam a responder por participação no mercado interno de apenas 4,42%, quando – em janeiro– era de 4,50%. E em fevereiro de 2011, de 4,60%.

No acumulado de janeiro-fevereiro, as associadas à Abeiva somaram 21.797 unidades emplacadas, apenas 0,8% mais em relação a igual período de 2011 [21.622].

“O que prevíamos há três ou quatro meses está acontecendo neste momento. O mercado interno está instável, está sem referência de preços, com exceção dos veículos vindos do México e da Argentina, com alíquota zero do imposto de importação e sem a alta do IPI, que tiveram suas vendas duplicadas neste início do ano”, analisa José Luiz Gandini, presidente da Abeiva.

Diante do fraco desempenho de vendas das associadas à Abeiva, neste primeiro bimestre de 2012, Gandini teme pela desestruturação da rede de concessionárias. “Tínhamos a expectativa de encerrar com ano de 2011 com cerca de 1.100 concessionárias de veículos importados. Estacionamos em 848 pontos de atendimento. E agora, tememos por fechamento de algumas concessionárias e, por consequência,  por queda de postos de trabalho”.

Com o desempenho comercial no acumulado de vendas do primeiro bimestre, de apenas 21.797 unidades, o presidente da Abeiva já anuncia a primeira revisão do número de emplacamento para 2012. “Em janeiro, anunciamos 160 mil unidades para este ano, queda de 20% em relação às 199.366 unidadesemplacadas de 2011. Mas, infelizmente, com o tratamento não isonômico, não será possível atingir esse volume. Provavelmente, o impacto negativo deve chegar a 40%”, lamenta Gandini.

De qualquer maneira, a Abeiva aguarda posicionamento oficial do Governo Federal em relação ao pleito de importações autorizadas até o volume dos últimos doze meses, retroativamente de 15 de setembro de 2011, sem o aumento dos 30 pontos percentuais do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados. “Ainda confiamos no bom senso do Governo para que possamos superar a crise e a instabilidade do mercado”, conclui Gandini.

Fonte: Frota & Cia Online

Superávit acumulado da balança comercial cai 78% em relação a 2011

Agência Brasil

Apesar de as exportações terem reagido em fevereiro, depois de déficits consecutivos nas quatro semanas de janeiro, o superávit da balança comercial no acumulado do ano é 78% menor em relação a 2011. Segundo números divulgados há pouco pelo Ministério da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior (MDIC), o país exportou US$ 429 milhões a mais do que importou do início do ano até a terceira semana de fevereiro, contra superávit de US$ 1,954 bilhão registrado no mesmo período do ano passado.

Na semana passada, o Brasil exportou US$ 370 milhões a mais do que importou. O número representa a diferença entre as exportações, que somaram US$ 4,703 bilhões, e das compras externas, que totalizaram US$ 4,333 bilhões. O resultado fez o superávit comercial no acumulado de fevereiro subir para US$ 1,721 bilhão.

As vendas para o exterior aumentaram 3% em 2012, mas as importações subiram 10%, o que impede a melhoria significativa do saldo da balança comercial. No acumulado do ano, as exportações aumentaram de US$ 27,513 bilhões para US$ 28,535 bilhões. As compras do exterior, no entanto, passaram de US$ 25,559 bilhões para US$ 28,106 bilhões, quase alcançando o valor das vendas externas.

De acordo com o MDIC, as exportações de produtos industrializados têm impulsionado as vendas externas no início do ano. A média diária das exportações de manufaturados subiu 24,1% em 2012, e a média das exportações de semimanufaturados aumentou 10,2%. Os produtos com mais destaque foram plataforma de perfuração e exploração de petróleo, energia elétrica, óleos combustíveis e aviões. A média diária das vendas de produtos básicos aumentou 7,4% até a terceira semana de fevereiro na comparação com o mesmo período de 2011.

Nas importações, os produtos cujas compras mais aumentaram em relação a fevereiro de 2011 foram equipamentos mecânicos, com crescimento de 25,4%, instrumentos de ótica e precisão (+24,7%), siderúrgicos (+21,6%), aparelhos eletroeletrônicos (+8,4%).