Novo terminal de cargas no Pecém

O Ceará receberá um investimento para fortalecer a operação de carga e distribuição no Porto do Pecém. Após articulação do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), a empresa pernambucana Komboogie/TRC implantará um terminal de armazenagem e logística no complexo. A empresa atua em transporte de cargas de longo curso, locação de guindastes e com logística de distribuição para grandes empresas.

Opera em todo o território nacional e, atualmente, possui terminais de carga no Rio de Janeiro e no Porto de Suape (PE), além de um centro de distribuição na Bahia. O terminal de armazenagem e logística da Komboogie/TRC no Pecém ocupará uma área de 120 mil metros quadrados, com investimento da ordem de R$70 milhões em instalações, veículos e maquinário, gerando cerca de 100 empregos diretos inicialmente. A expectativa da empresa é que, em dois anos, amplie o quadro próprio para 300 funcionários, fora o grande número de postos indiretos criados.

Fonte: Diário do Nordeste

Anúncios

Novo terminal de cargas no Pecém

Ceará receberá um investimento para fortalecer a operação de carga e distribuição no Porto do Pecém. Após articulação do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), a empresa pernambucana Komboogie/TRC implantará um terminal de armazenagem e logística no complexo. A empresa atua em transporte de cargas de longo curso, locação de guindastes e com logística de distribuição para grandes empresas. A empresa atua em transporte de cargas de longo curso, locação de guindastes e com logística de distribuição para grandes empresas.

Opera em todo o território nacional e, atualmente, possui terminais de carga no Rio de Janeiro e no Porto de Suape (PE), além de um centro de distribuição na Bahia. O terminal de armazenagem e logística da Komboogie/TRC no Pecém ocupará uma área de 120 mil metros quadrados, com investimento da ordem de R$70 milhões em instalações, veículos e maquinário, gerando cerca de 100 empregos diretos inicialmente. A expectativa da empresa é que, em dois anos, amplie o quadro próprio para 300 funcionários, fora o grande número de postos indiretos criados. Na última semana, o Secretário Alexandre Pereira, presidente do Cede, acompanhado do diretor de infraestrutura da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Eduardo Neves, realizou uma visita institucional ao terminal da Komboogie/TRC no Porto de Suape, em Pernambuco. Fortalecimento Alexandre informou que, além de conhecer as instalações da empresa, foi ver o processo que está acontecendo no Complexo de Suape, incluindo os impactos causados na região. Pereira avalia que o novo terminal de armazenagem vai fortalecer a logística no estado.

“O Cipp é um grande diferencial pra empresas se instalarem no Ceará. Além da localização privilegiada, temos uma excelente infraestrutura. Ter uma logística eficiente é fundamental pra consolidar novos negócios”, afirma. De acordo com Rosael Queiroz, presidente da Komboogie/TRC, a instalação do terminal da empresa no Pecém é um reconhecimento ao crescimento do Ceará e uma aposta no potencial do mercado. “O Ceará é um local estratégico para atuação não só no Nordeste, mas em todo o País. Com o alargamento do canal do Panamá, o porto será extremamente beneficiado”. Pelo calado superior, o porto cearense é capaz de receber navios de grande porte Post-Panamax, podendo levar uma quantidade bastante superior de containers em relação aos cargueiros convencionais. Início das operações O terminal de armazenagem e logística da Komboogie/TRC no Pecém será equivalente ao que a empresa possui no Porto de Suape. As obras já estão em andamento, e a empresa planeja iniciar suas operações em janeiro. O terminal vai funcionar em três turnos, com operações durante 24h.

“Nossa portaria não fecha nunca, isso proporciona maior agilidade operacional”, destaca. A Komboogie/TRC existe há 27 anos e, além do transporte e armazenagem de cargas, atua no setor portuário, em inspeção, descontaminação e estufagem de containers para exportação, desova de containers de importação, consolidação de cargas entre outros serviços afins. Somente os operações da empresa no terminal de Suape movimentam cerca de 700 carretas por dia. Entre os principais clientes da empresa estão: Gerdau, Construtora Queiroz Galvão, Maersk Lines, Usiminas, Saint-Gobain e MSC. As informações são do Diário do Nordeste.

 

Novo terminal de cargas no Pecém

O Ceará receberá um investimento para fortalecer a operação de carga e distribuição no Porto do Pecém. Após articulação do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), a empresa pernambucana Komboogie/TRC implantará um terminal de armazenagem e logística no complexo.

A empresa atua em transporte de cargas de longo curso, locação de guindastes e com logística de distribuição para grandes empresas FOTO: DIVULGAÇÃO

A empresa atua em transporte de cargas de longo curso, locação de guindastes e com logística de distribuição para grandes empresas. Opera em todo o território nacional e, atualmente, possui terminais de carga no Rio de Janeiro e no Porto de Suape (PE), além de um centro de distribuição na Bahia.

O terminal de armazenagem e logística da Komboogie/TRC no Pecém ocupará uma área de 120 mil metros quadrados, com investimento da ordem de R$70 milhões em instalações, veículos e maquinário, gerando cerca de 100 empregos diretos inicialmente. A expectativa da empresa é que, em dois anos, amplie o quadro próprio para 300 funcionários, fora o grande número de postos indiretos criados.

Na última semana, o Secretário Alexandre Pereira, presidente do Cede, acompanhado do diretor de infraestrutura da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Eduardo Neves, realizou uma visita institucional ao terminal da Komboogie/TRC no Porto de Suape, em Pernambuco.

Fortalecimento

Alexandre informou que, além de conhecer as instalações da empresa, foi ver o processo que está acontecendo no Complexo de Suape, incluindo os impactos causados na região.

Pereira avalia que o novo terminal de armazenagem vai fortalecer a logística no estado. “O Cipp é um grande diferencial pra empresas se instalarem no Ceará. Além da localização privilegiada, temos uma excelente infraestrutura. Ter uma logística eficiente é fundamental pra consolidar novos negócios”, afirma.

De acordo com Rosael Queiroz, presidente da Komboogie/TRC, a instalação do terminal da empresa no Pecém é um reconhecimento ao crescimento do Ceará e uma aposta no potencial do mercado. “O Ceará é um local estratégico para atuação não só no Nordeste, mas em todo o País. Com o alargamento do canal do Panamá, o porto será extremamente beneficiado”.

Pelo calado superior, o porto cearense é capaz de receber navios de grande porte Post-Panamax, podendo levar uma quantidade bastante superior de containers em relação aos cargueiros convencionais.

Início das operações

O terminal de armazenagem e logística da Komboogie/TRC no Pecém será equivalente ao que a empresa possui no Porto de Suape. As obras já estão em andamento, e a empresa planeja iniciar suas operações em janeiro. O terminal vai funcionar em três turnos, com operações durante 24h. “Nossa portaria não fecha nunca, isso proporciona maior agilidade operacional”, destaca.

A Komboogie/TRC existe há 27 anos e, além do transporte e armazenagem de cargas, atua no setor portuário, em inspeção, descontaminação e estufagem de containers para exportação, desova de containers de importação, consolidação de cargas entre outros serviços afins.

Somente os operações da empresa no terminal de Suape movimentam cerca de 700 carretas por dia. Entre os principais clientes da empresa estão: Gerdau, Construtora Queiroz Galvão, Maersk Lines, Usiminas, Saint-Gobain e MSC.

Fonte: Diário do Nordeste (CE)

 

Porto do Pecém terá R$ 2 bilhões até 2016

O Porto do Pecém aguarda licença ambiental emitida pelo Ibama para seguir a segunda etapa das obras de expansão e modernização. O terminal completa hoje 10 anos de inauguração

Estavam lá. Tasso Jereissati, governador do Ceará de então; José Serra, que lançara o edital de licitação das obras em 2005 quando ministro do Planejamento; e Juraci Magalhães, prefeito de Fortaleza à época. Era a inauguração oficial do Terminal Portuário do Pecém, em 28 de março de 2002.

O porto, com seu complexo industrial batizado de Mário Covas – nome votado na Assembleia Legislativa -, recebeu investimento do Governo do Estado da ordem de R$ 220 milhões, segundo informou o secretário de Infraestrutura do período, Maia Júnior. Houve também recursos do Governo Federal.

Dez anos depois, sob a tutela do governador Cid Gomes, o Porto do Pecém prepara-se para a agenda de expansão e modernização. Serão R$ 2 bilhões até 2016.

A Secretaria da Infraestrutura do Estado (Seinfra) já assinou o contrato com o consórcio vencedor Marquise/QG/Ivaí, formado pela Construtora Marquise; Queiroz Galvão e Ivaí Engenharia de Obras. O valor firmado foi de R$ 568,7 milhões, com término das obras em 30 meses a contar da data de assinatura da ordem de serviços.

Para começarem os trabalhos, falta a licença ambiental, emitida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama). A expectativa é que saia ainda neste mês ou no início de abril. O Ibama informou que o documento está em analise.

A segunda etapa da expansão inclui uma nova ponte de acesso ao quebra-mar existente com 1.520 metros (m) de extensão; pavimentação de 1.065m sobre o quebra-mar; ampliação do quebra-mar em cerca de 90m; alargamento em cerca de 33m da ponte; construção de 600 metros de cais com dois berços de atracação de navios cargueiros ou porta-contêineres, informou a Seinfra. Está prevista ainda a ampliação do pátio da retro-área de aproximadamente 69 mil metros quadrados.

Em agosto de 2011, foram entregues as obras do Terminal de Múltiplo Uso (Tmut), que tem dois berços de atracação; quebra-mar ampliado para mil metros e o prolongamento da ponte existente. A obra custou cerca de R$ 410 milhões.

A importância do Porto do Pecém e do seu complexo industrial foi tratado pelo O POVO na reportagem especial Dossiê Pecém, que começou a ser publicaa no dia 18.

Siderúrgica em pauta
O governador Cid Gomes se reuniu, ontem, no Palácio da Abolição, com o presidente da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), Marcos Chiorboli, além de representantes da Zona de Processamento de Exportação (ZPE).

Na pauta, a preparação da área da CSP para receber o material de construção, grande parte vindo da China, está previsto para chegar, em abril, conforme O POVO adiantou em matéria noa dia 21.

O quê

ENTENDA A NOTÍCIA

Porto do Pecém tem aspectos naturais de profundidade e localização muito competitivos. A infraestrutura está sendo montada e o empresário começa a se sentir mais seguro em fazer negócios no local.

Retrospectiva

Março/2002. Inauguração oficial do Porto do Pecém e do seu complexo industrial. Um dos dois nomes que estavam em votação para batizar o complexo era Cícero Romão Batista, mas Mario Covas acabou sendo escolhido.

Fevereiro/2003. Estudo Refinaria – Razões Técnicas de Sua Localização, feito pelo Núcleo de Pesquisa em Logística, Transporte e Desenvolvimento (Nupeltd), aponta o Porto do Pecém como o melhor para receber uma refinaria.

Maio/2005. Pesquisadores visitam o Ceará para definir os detalhes da construção de uma usina de geração de energia por meio das ondas do Porto do Pecém.

Dezembro/2007. Governo do Estado determina um estudo para montar o plano diretor do Complexo do Pecém e um planejamento para os dez anos seguintes.

Agosto/2008. O então presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, afirma, pela primeira vez à imprensa cearense, que a refinaria no Pecém seria mesmo construída e teria o início das obras em 2009.

Novembro/2009. Porto do Pecém completa 3 anos seguidos como líder em exportação de frutas.

Fevereiro/2010. Primeiro carregamento de minério de ferro.

Fonte: O POvo (CE)

Potencialidades do Pecém até 2050 serão mapeadas

Mapear as potencialidades do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) até 2050 é um dos desafios a serem encarados por um dos subgrupos do Conselho gestor do complexo formado na tarde de ontem. Além dessa equipe, outra frente será responsável por fazer um levantamento acerca dos obstáculos cotidianos que a área enfrente atualmente. “Vamos atuar com esses dois focos. Um será mais voltado para o futuro e o outro para o dia a dia mesmo do complexo”, explicou o secretário do Planejamento e Gestão do Estado, Eduardo Diogo.

A equipe integrada por 17 órgãos e entidades, além das prefeituras municipais de São Gonçalo do Amarante e Caucaia, saiu da reunião na Seplag com o próximo encontro já marcado para o dia 23 de abril. Nesta ocasião serão apresentados didaticamente as metas que precisarão ser cumpridas. O Conselho Gestor do Cipp pertence a uma unidade gestora que permitirá pensar a região não mais de modo municipal, mas integrado, permitindo a potencialização dos benefícios a serem trazidos com os novos empreendimentos.

Mão de obra

Dirigentes dos setores produtivos e de secretarias do Estado, além de representantes do Sebrae/CE, Senai, Senar, FCDL e CIC também estiveram reunidos na manhã desta segunda-feira na Seplag, discutindo a formação de mão-de-obra no Ceará.

“Hoje, o nosso maior entrave é a falta de integração dos órgãos envolvidos em capacitação no Estado. A gente precisa integrá-los para que, desta forma, consigamos manter ações focadas nas demandas de mercado”, explica Eduardo Diogo.

Plano Brasil Maior

Marcado para ser lançado no Ceará no próximo dia 2, o Plano Brasil Maior tem por objetivo criar uma agenda de qualificação profissional nas áreas mais necessárias no Estado.

FONTE:DIÁRIO DO NORDESTE