Transporte aéreo de cargas apresenta lenta recuperação, diz Iata

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) divulgou números que mostram uma pequena melhora no crescimento do setor de transporte aéreo, em outubro. Comparado com o mesmo período de 2012 toneladas globais de carga cresceram 4,0%, com melhora em todas as regiões, exceto África.

A expansão gradual continua uma tendência que começou no terceiro trimestre, quando os mercados de transporte aéreo responderam à confiança económica e melhoria da demanda do consumidor. O desempenho varia significativamente por região. Enquanto as transportadoras do Oriente Médio relataram um crescimento mais impressionante de 12,3%, as companhias aéreas europeias e norte-americanas apresentaram crescimento de 4,4% e 3,7%, respectivamente, números abaixo da tendência de crescimento em longo prazo de 5% a 6%.

Já as transportadoras da região da Ásia-Pacífico tiveram um crescimento significativo, de 2,0%. O comércio de volumes chineses em toda a região indica que a Ásia-Pacífico, que é confortavelmente uma região de maior volume de carga aérea em participação de mercado, está potencialmente pronta para a expansão continuada.

“Desde meados do ano temos visto um crescimento modesto, mas sustentado do setor de carga, alimentada pela forte confiança das empresas e melhora nos fluxos de comércio. A carga aérea ainda é um negócio muito difícil. A capacidade de demanda tem sido difícil em um ambiente em que o tráfego de passageiros está crescendo de forma mais enérgica. Há, no entanto, alguma evidência de que a queda da taxa de ocupação tem se estabilizado, mas os rendimentos continuam sob pressão”, disse Tony Tyler, diretor geral e CEO da IATA.

Todas as regiões cresceram em outubro de 2013 em comparação com o mesmo período do ano passado. O maior crescimento é no Oriente Médio, mas a Europa também apresentou uma melhora considerável. Europa e Oriente Médio combinados levaram três quartos do aumento da carga ao longo dos últimos seis meses.

As Companhias aéreas da América Latina cresceram 1,5% ano-a-ano, uma desaceleração em relação à taxa de 3,6% registrada em setembro. No entanto, a taxa de crescimento (3,6%) continua a ser a segunda mais rápida de todas as regiões, apoiada por um aumento de 10% no volume do comércio regional. A concorrência de companhias europeias e norte-americanas nas rotas da América Latina, no entanto, tem impacto sobre as transportadoras da região.

Anúncios

COMPORTAMENTO DO TRANSPORTE AÉREO GLOBAL EM JANEIRO

Crescimento encorajador” de 5%

Volumes globais ainda estão abaixo dos níveis registrados em 2010 e 2011

A Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata) divulgou que o transporte aéreo global de cargas registrou crescimento de 5% em janeiro, o que mostra a estabilização desse mercado desde o final de 2012, que teve um “crescimento encorajador”.

“O negócio de carga aérea está mostrando alguns sinais encorajadores, mas ainda é muito cedo para ser otimista demais. Enquanto o declínio parou, os volumes globais ainda estão abaixo dos níveis de 2010 e 2011. A economia mundial é frágil. Nossa previsão para o crescimento da demanda permanece modesto de 1,4%”, disse o CEO da Iata, Tony Tyler.

“O transporte de carga aérea é importante para a economia global e da vida cotidiana. Em valor, quase um terço dos bens comercializados internacionalmente são enviados via aérea. Emprego e oportunidades econômicas são criados por meio da ligação de mercadorias aos mercados. E vidas são enriquecidas pelo comércio global de produtos e serviços, o que é tornado possível pela conectividade aérea. Apoiar o sucesso do setor é do interesse de todos”, disse Tyler.

 

Remessas

 

O envio de remessas aéreas para mercados internacionais teve expansão de 4,5% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2012. Em mercados domésticos o crescimento de janeiro foi de 7,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

A oferta total do transporte de cargas registrou crescimento de 2,1% em janeiro. Em vôos internacionais e domésticos, a capacidade teve aumentos de 2,3% e de 1,3%, respectivamente, nas mesmas bases comparativas.

 

América Latina

 

As companhias aéreas da América Latina foram as únicas que apresentaram queda na demanda, de 1,6%, em relação ao ano anterior. No entanto, houve aumento de 10,2% na capacidade.

As companhias locais vêm aumentando a capacidade de carga aérea para aproveitar as oportunidades de crescimento do comércio de muitas economias locais. Este potencial de crescimento também está atraindo companhias aéreas de outras partes do mundo, acirrando a concorrência.

 

África e Ásia

 

As companhias africanas relataram aumento de demanda de 3,7%, enquanto a capacidade teve uma evolução de 13,9%. As transportadoras da região se beneficiaram de um forte crescimento econômico, particularmente na África Ocidental.

A demanda das operadoras da Ásia-Pacífico, que representam 39,2% de carga aérea mundial, cresceram 7,1%, enquanto a capacidade caiu 0,4%. Com o ajuste para o Ano Novo Chinês, estima-se que as transportadoras da região tiveram crescimento de cerca de 3% da demanda.

 

EUA e Europa

 

As companhias norte-americanas tiveram um crescimento modesto, de 0,6%, em relação a janeiro de 2012, enquanto a capacidade se reduziu em 1%. Os consumidores norte-americanos estão tendo perspectivas mais positiva sobre a economia das companhias aéreas da América do Norte.

As européias registraram crescimento da demanda de 1,2%, metade do crescimento de 2,4% na capacidade. De acordo com a Anac, a debilidade econômica na Zona do Euro, que é um grande mercado de bens de consumo, está atrapalhando o crescimento do comércio mundial, e vai limitar o crescimento dos volumes de carga aérea em 2013.

As companhias aéreas do Oriente Médio continuam a ter o crescimento mais rápido de todas as regiões: 16,3% em relação a janeiro 2012. O capacidade aumentou em 12,4%. As transportadoras da região continuam a se beneficiar da rota e da capacidade de expansão das economias que crescem rapidamente na África Ocidental e na Ásia.

Monitor Mercantil