Indústria chinesa dá alento à exportação brasileira

A economia chinesa tem dado recentemente sinais positivos, contrariando previsões de analistas que previam uma desaceleração mais forte. Para o Brasil, esses sinais começam a trazer esperança de um melhor desempenho na balança comercial, já que os chineses são os principais clientes das empresas brasileiras.

 

A grande surpresa da economia chinesa tem sido o desempenho da indústria, em um momento em que o governo local sinalizou que faria uma reorientação do crescimento econômico para o consumo. O índice dos gerentes de compras (PMI) da indústria chinesa subiu para 51,2 pontos em setembro, o nível mais alto em seis meses, segundo medição do HSBC.

 

A China é a maior importadora de produtos brasileiros, com destaque para o minério de ferro e commodities agrícolas, principais itens da pauta de exportação da balança comercial do Brasil. “A economia chinesa começa a mostrar uma recuperação em relação aos padrões de crescimento dela. O Brasil é impactado toda vez que a China sofre qualquer mudança econômica”, afirma José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

 

Os sinais positivos da China ajudaram a elevar a cotação do preço do minério. No mês de agosto, a tonelada do produto foi vendida a US$ 84,7. Na primeira semana de setembro, passou para US$ 86,9, subiu para US$ 94,3 na semana seguinte, e chegou a US$ 99. “A minha expectativa é que essa cotação deve alcançar entre US$ 105 e US$ 108 por tonelada”, afirma Castro. Entre janeiro e agosto, a cotação do minério teve uma queda de 2,9%.

 

Em julho, a AEB previu um déficit de US$ 2 bilhões para o ano mas, segundo Castro, o resultado deste ano pode ficar próximo de um “zero a zero” por causa do efeito minério.

 

O reaquecimento da economia também abre uma “boa perspectiva” para o primeiro semestre de 2014, segundo Rodrigo Branco, economista da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). “A melhora da China traz uma perspectiva positiva porque a gente esperava desaceleração maior”, diz. “Isso é um fato positivo, que terá impacto no nosso comércio exterior.”

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Operadoras de logística ampliam serviços oferecidos em sites

As empresas de logística estão ampliando os serviços oferecidos aos clientes, via sites. Além do rastreamento on-line de mercadorias, os endereços eletrônicos das operadoras fornecem faturas e comprovantes de entrega de cargas. Nos próximos meses, a meta é oferecer facilidades como indicadores de performance de terminais portuários e agendamento de contêineres vazios para a inclusão de novas mercadorias. Para Fernando Arbache, professor de logística da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Fundação Dom Cabral (FDC) e HSM, as páginas precisam também ter informações como preços dos serviços e condições do trânsito em tempo real.

A Terra Master, empresa santista de transporte rodoviário, vai oferecer o rastreamento on-line de cargas, no site da empresa, a partir de 2014. “Com uma senha, o usuário poderá, do seu escritório, localizar o pedido feito”, diz o diretor Thiago Veneziani. “A facilidade permite ainda que o cliente se planeje para receber as mercadorias”.

Segundo Veneziani, que já investiu R$ 15 mil no endereço eletrônico, o serviço não será cobrado. A oferta de localização já existe na empresa, mas por meio do envio de e-mails sobre o status das encomendas. A Terra Master opera no Porto de Santos (SP) e, por meio de parcerias, em Itajaí e Navegantes (SC).

A Santos Brasil, de movimentação de contêineres e logística, dispõe de rastreamento on-line para clientes há dez anos, segundo o diretor comercial Mauro Salgado. A empresa investiu cerca de R$ 3 milhões no endereço eletrônico, nos últimos anos, sem incluir despesas de link de dados. Estão programadas outras facilidades no site, como indicadores de performance de terminais portuários para cargas transacionadas e um sistema de agendamento de contêineres vazios para a inclusão de mercadorias. “Vamos ter ainda serviços de agendamento de ferrovias, para o recebimento de contêineres enviados pelo modal, e de exportação de cargas gerais”.

Este mês, a operadora começou a operar com scanners de raio X, com capacidade de penetrar até 300 milímetros de aço, para verificar o conteúdo de contêineres sem a necessidade de abri-los. A ideia é agilizar o fluxo de cargas nos terminais e ganhar mais eficiência na fiscalização das mercadorias. A empresa investiu cerca de R$ 20 milhões na nova tecnologia.

Segundo Keley Lopes, gerente de marketing da mineira Rodoviário Camilo dos Santos, que atua na região Sudeste há 30 anos, além do acompanhamento de cargas em tempo real, os clientes podem usar o site corporativo para obter faturas e comprovantes de entrega, no mesmo dia da operação. A maioria dos clientes da empresa é dos segmentos de cargas fracionadas de roupas, calçados, autopeças e medicamentos.

Para o professor Fernando Arbache, a “roteirização” de veículos vem se tornando uma commodity para as empresas por conta da popularização de aplicativos de mapas para smartphones e computadores, equipados com GPS. “Mas os serviços precisam ter dados como preços, mais facilidade de uso em múltiplas plataformas, além de atualização contínua e em tempo real do trânsito”, diz.

O especialista afirma que as operadoras devem priorizar também aportes na simulação dos trajetos. “Isso traz um melhor conhecimento dos roteiros, antes que o veículo de carga saia da empresa”, diz. Arbache lembra que os serviços de rastreamento também estão se tornando mais populares e baratos.

Recursos gratuitos de localização pessoal, como o Find my iPhone, criado pela Apple, já são usados por operadores logísticos. “Ainda existem restrições de cobertura, mas é um modelo atrativo, a médio prazo, quando analisamos custo, funcionalidade e o crescimento da infraestrutura de telefonia móvel”.

A UnepxMil, com sede em São José do Rio Preto (SP), fornece rastreamento de veículos e embarcações, por meio de pagamento de taxa mensal. O serviço é baseado em aparelhos embutidos nos veículos, que emitem sinais de GPS ou GPRS (transferência de dados por rádio). O sistema mostra os deslocamentos em tempo real e cria uma “cerca eletrônica” – se o motorista ultrapassar os limites previstos, a central de monitoramento avisa a empresa.

Fonte: Valor Econômico/Jacílio Saraiva | Para o Valor, de São Paulo

Trabalhadores acampam em terminal de contêineres no Porto de Santos

Eles reivindicam a contratação de mão de obra por um órgão gestor, enquanto a empresa quer utilizar o regime da CLT.

Trabalhadores estão acampados em frente ao terminal de contêineres da Embraport, no Porto de Santos.

Durante o dia, o protesto complicou o trânsito na estrada de acesso ao terminal. Eles reivindicam a contratação de mão de obra por um órgão gestor, enquanto a empresa quer utilizar o regime da CLT.

Na noite de quarta-feira (25), um grupo de portuários, que arrombou o portão da Empbraport, tinha subido a bordo de um navio. Mas, no início da madrugada, a empresa conseguiu uma liminar da Justiça e os manifestantes deixaram o local.

A Embraport declarou que as contratações feitas pela empresa têm o amparo da Nova Lei dos Portos. Mas que concordou em contratar metade do pessoal por intermédio do órgão gestor de mão de obra.

 

FONTE: GLOBO

Treinamento: Desconsolidação no Sistema Mercante e Siscarga na Pratica

Data do curso: 09/10/2013
Escola: FlexComex
LOCAL: Informaremos o local no e-mail de confirmação do treinamento.
E-mail: atendimento@flexcomex.com.br
Website: http://www.flexcomex.com.br
DDD+Telefone: (27) 3033-0818

 

Informações sobre o curso:

 

Capacitar empresários funcionários de empresas importadoras, exportadoras, ajudantes e despachantes aduaneiros, agentes de carga, operadores portuárias, agências marítimas e demais profissionais que atuam no comércio exterior a entender o fluxo geral das informações nos sistemas Siscomex Carga e Mercante, aprendendo a operar as principais funções em ambos os sistemas afim de estar apto a efetuar a desconsolidação na prática e os demais procedimentos de pós-embarque nas cargas consolidadas tornando-o conhecedor do assunto e preparado para executar na empresa.

Data: 09/10/2013

Detalhes do programa:

Programa:

1-Objetivo Principal dos Sistemas
2-Cadastro de Intervenientes e Representação
3-Definições e Classificações
4-Explicando Consolidação e Desconsolidação de carga
5-Explicando Agente NVOCC
6-Explicando BL – Bill of Lading
7-Explicando CE Mercante
8-Como desconsolidar uma carga via Sistema Mercante.
9-Prestação das informações com Antecedência
10-Aprendendo a acessar os Sistemas (Mercante e Siscarga) na pratica
11-Aprendendo consultar Escalas, manifestos CE’s , Itens de carga(Mercante e Siscarga) na pratica
12-Aprendendo rastrear CE Máster no sistema (Mercante e Siscarga) na pratica
13-Aprendendo rastrear CE House no sistema (Mercante e Siscarga) na pratica
14-Aprendendo a alterar CE, itens de carga e dados baticos (Mercante e Siscarga) na pratica
15-Aprendendo a incluir e excluir CE, itens de carga e dados baticos (Mercante e Siscarga) na pratica
16-Aprendendo a incluir e excluir manifesto e CE provisório (Mercante e Siscarga) na pratica
17-Aprendendo a incluir, excluir, alterar e consultar CE, e itens de carga antes da Finalização de inclusão (Mercante e Siscarga) na pratica
18-Aprendendo a desconsolidar, alterar e excluir desconsolidação (Mercante e Siscarga) na pratica
19-Aprendendo a Solicitar e consultar Retificação (Mercante e Siscarga) na pratica.
20-Bloqueio da Escala e das Cargas por Informação Após o Prazo.
21-Bloqueios Automáticos e Não Automáticos
22-Informação do Transportador quanto a Pendência de Frete consulta (Mercante e Siscarga) na pratica.
23-Entrega da Carga
24-Consultar carga por consignatário (Mercante e Siscarga) na pratica.
25-Emitir extrato de CE manifesto e Escala (Mercante e Siscarga) na pratica.


Público-alvo:

Empresários funcionários de empresas importadoras, exportadoras, ajudantes e despachantes aduaneiros, agentes de carga, operadores portuárias, agências marítimas e demais profissionais que atuam no comércio exterior, bem como àqueles que queiram ampliar seus conhecimentos no assunto.

Professor(es):

Rodrigo Gregório – Analista de Comércio Exterior (Agente desconsolidador), Especialista em Agenciamento Marítimo de Cargas importação e Exportação em todo o Brasil – Atuando na área desde 2005 em empresas de renomadas na Area – conhecedor da desconsolidação desde antes de existir o Siscarga e atualizado com as modificações atuais – participou de todo o processo de implantação do Sistema em 2008 e compareceu a diversos cursos sobre o assunto inclusive os único curso que foi ministrado pela “ESAF – Escola de Administração Fazendária” ministrado pelos Fiscais que participaram da formação do sistema – Prestou faculdade de Comercio Exterior na Universidade Estácio de Sá.

Carga horária: 08 horas/aula

Investimento: Sob Consulta

Forma de pagamento: Sob Consulta

Portal NewsComex

Setor de máquinas e equipamentos reagiu em agosto

O crescimento de quase 7% de receita em um único mês para um setor é um dado economicamente importante. Ainda mais em se tratando da indústria de máquinas e equipamentos. O segmento fornece aos demais setores industriais, agropecuário e de serviços. A alta foi de 6,8% em agosto, sobre julho. O faturamento bruto foi de R$ 7,27 bilhões. Na comparação com agosto do ano passado, houve queda de 2,1%. Exportações de US$ 1,25 bilhão e importações de US$ 2,72 bilhões. Dados da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq.

Programa de exportação busca estimular indústria local

Objetivo é ampliar mercados para as indústrias iniciantes em comércio exterior

TNOnlineDa Redação
Secretaria  Municipal de Indústria, Comércio e Turismo de Arapongas está articulando ações com técnicos do PEIEX – Projeto Extensão Industrial Exportadora – com o objetivo de estimular a competitividade e promover a cultura exportadora nas empresas do município, ampliando mercados para as indústrias iniciantes em comércio exterior.

O projeto está inserido na política industrial do Governo Federal, e é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Esteve presente o coordenador Luís Paulo Bombassaro, do Núcleo Operacional de Londrina, juntamente com as técnicas extensionistas Danubia de Fátima Milani e Darlene Medina Carlos.

A assessoria pode ser prestada em diferentes níveis, incluída a de visita às empresas interessadas. Tudo isso pode ser concretizado sem nenhum ônus para as empresas. Participaram desses entendimentos, pelo lado da prefeitura, o Secretário Irineu Berestinas, e a gerente de Turismo Claudia Guimarães Inoue, e pelo lado do PEIEX, os técnicos já mencionados.

Diante de chuvas e correnteza, Porto de Itajaí é fechado e deixa doze embarcações no aguardo

Doze embarcações esperam para atracar no Porto de Itajaí, em Santa Catarina, fechado por conta das fortes chuvas e correntes de vento que atingem o estado. É a terceira vez nos últimos cinco anos que o Porto fecha por causa de complicações climáticas. No entanto, em 2008 e 2011 os problemas foram maiores, afetando a profundidade do canal de navegação e a estrutura dos berços de atracação.

 

As operações foram paralisadas no início da tarde de sexta-feira. A direção do Porto aguarda que a velocidade da correnteza diminua dos atuais sete nós para um nó. O prejuízo calculado é de cerca de US$ 2 milhões.

No início desta terça-feira (25), às 9h, o nível do Rio Itajaí-Açu chegou a 7,15 metros na região de Blumenau, a mais afetada pelas chuvas, ainda acima do estado de alerta que é de 6 metros. Na região de Itajaí, espera-se que tudo esteja normalizado a partir das 16h.

A previsão do tempo para o litoral catarinense nos próximos dias aponta chuva moderada e temperaturas baixas. A tendência é que aconteçam garoas isoladas por causa da circulação marítima de vento. No próximo final de semana as pancadas de chuva podem voltar.

Com informações da Defesa Civil de Santa Catarina e do jornal Folha de S. Paulo.