Mercado volátil traz insegurança às importadoras

Fonte: CIMM

A instabilidade no câmbio, na economia global e, principalmente, as barrareis fiscais de importação no Brasil criam um clima de insegurança para os importadores de máquinas e equipamentos.  Durante a 14ª Feimafe, a maior feira do setor, realizada na última semana em São Paulo, era comum ouvir dos empresários queixas sobre o protecionismo do governo atual.

Um exemplo disso foi o discurso realizado pelo presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei), Ennio Crispino, durante a celebração de 10 anos da Associação, ocorrida na última quarta-feira (6) paralelamente à Feimafe.

Crispino criticou as medidas adotadas pelo Governo a partir de outubro, quando houve o aumento do imposto de importação para 100 produtos, entre eles 35 bens de capital e insumos usados na indústria. Desde então, o imposto para a importação subiu de 14% para 25%.

Em entrevista ao CIMM durante 14ª Feimafe, o presidente da importadora Mitsui Motion, Marcos Bastos, também ressaltou a situação. “O mercado sentiu o alto custo do imposto de importação de alguns bens”, disse. Para ele, em função do Custo Brasil, as empresas buscam automatizar suas indústrias para aumentar a produção doméstica com maior eficiência possível.  Entretanto, as ações pontuais do Governo acabam desequilibrando o mercado e dificultam a entrada de máquinas com alta tecnologia no País.

O diretor comercial do Grupo Bener, Wilson Borgneth, compartilha da mesma opinião. “Hoje o que se vende é reposição, pois as empresas não investem mais para expandir, mas para aumentar a produção”, explica. A multinacional alemãHeller, que encerrou 2012 no vermelho no Brasil – ao contrário das outras unidades no mundo –, previu a crise e mudou a estratégia aumentando até 40% sua capacidade produtiva.

Diante da conjuntura econômica, as empresas buscam trazer novidades em tecnologias para se destacar no mercado. Equipamentos mais eficientes e oferta de serviços também são algumas das saídas encontradas para enfrentar a crise. O gerente de vendas da importadora CIMHSA, Vinícius Cordeiro, conta que a estratégia utilizada pela empresa é o pós-venda. Ainda que em tempos difíceis, a empresa espera fechar o faturamento deste ano 20% acima do ano anterior.

Competitividade e tecnologia

O discurso de Crispino, durante a solenidade de aniversário da Abimei, também ressaltou a necessidade do País investir em inovação tecnológica para atender as necessidades do mercado interno.

“É impossível aumentar a competitividade, sem investir em inovação tecnológica. Todos os outros entraves ao crescimento econômico do país, e que compõem o chamado Custo Brasil, não irão adiantar se não houver estímulo ao aumento da competitividade”, declarou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s