Infraero construirá terminal de cargas no aeroporto de Palmas

A Infraero assinou recentemente a ordem de serviço para a construção do terminal de logística de carga (Teca) do Aeroporto de Palmas/Brigadeiro Lysias Rodrigues (TO). O investimento será de R$ 3,55 milhões, com início das obras previsto para o final de abril e prazo de execução dos serviços de 300 dias.

De acordo com a Infraero, o projeto do Teca de Palmas prevê uma construção modular com área de armazenamento de 500 m², que permitirá ampliações e expansões da área de acordo com a demanda. O terminal de cargas operará inicialmente com a movimentação de carga nacional, com possibilidade de expandir as operações para importação e exportação caso o local seja liberado pela Receita Federal.

Fonte: Canal do Transporte

EXPORTAÇÕES E SAFRAS MOVIMENTAM TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Ebitda da ALL cresce 13,3% no trimestre

Empresa vê cenário muito mais positivo em relação ao mesmo período do 2012

A melhora no transporte ferroviário com aumento nas exportações e das safras agrícolas fez com que a companhia de logística ALL encerrasse o primeiro trimestre com uma geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) 13,3% maior que a registrada no mesmo período de 2012.

Na informação prévia de resultados nesta quarta-feira, nos três primeiros meses do ano, o Ebitda da empresa totalizou R$ 390,9 milhões, ante R$ 345,1 milhões um ano antes. O aumento foi impulsionado pelo crescimento de 13,1% do Ebitda Ajustado das Operações Ferroviárias, aumento de 18,5% no Ebitda da Brado e incremento de 13,4% no Ebitda da Ritmo.

 

Cenário positivo

 

De acordo com a companhia, as operações ferroviárias no Brasil enfrentaram um cenário muito mais positivo no trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior

“As exportações em janeiro e fevereiro foram impulsionadas pelo maior nível dos estoques de milho e açúcar no final de 2012. Além disso, a primeira safra de grãos (milho e soja) em nossa área de cobertura, cuja colheita ocorre entre fevereiro e abril, deverá apresentar um aumento anual de 27,9% em 2013, quando comparado a uma quebra de safra de 17,8% em 2012”, informou a ALL em comunicado.

Em commodities agrícolas, o volume aumentou 13,3% no período impulsionado principalmente pelo cenário de mercado favorável e fortes melhorias de produtividade.

Os preços de frete no mercado spot apresentaram recuperação em relação aos níveis extremamente baixos observados no mesmo período do ano passado, quando a quebra de safra impactou significativamente os preços de frete de caminhão nas principais rotas.

No segmento industrial, o volume decresceu 8,6% uma vez que a demanda continuou a ser afetada pela menor atividade econômica no setor. Nos fluxos intermodais, o volume caiu 16,9% no refletindo a menor demanda por produtos de ferro entre Corumbá e o estado de São Paulo e, a interrupção da planta de um importante cliente do segmento de madeira, papel e celulose, que deverá ser normalizada no segundo trimestre.

Nos fluxos puramente ferroviários, o volume decresceu marginalmente 1,4%, impulsionado segmento de construção e parcialmente compensado pelo segmento de combustíveis.

 

Volume transportado

 

O volume transportado consolidado no período avançou 5,8%, para 10.541 milhões de toneladas por quilômetro útil (TKUs). Em volume de contêineres, o crescimento foi de 25,5% na mesma base de comparação, para 15,1 mil contêineres.

Segundo a companhia, o Ebitda ajustado no Brasil cresceu 15,9% no primeiro trimestre, para R$ 382,4 milhões, apoiado em maiores volume transportado e yields (indicador de preço de frete).

Na Argentina, os volumes caíram 14,2% uma vez que a empresa continua a enfrentar o difícil cenário de mercado encontrado no quarto trimestre do ano passado. De acordo com a ALL, em 2013, a safra no país vizinho deverá crescer 25%. “O cenário do mercado deverá começar a melhorar no segundo trimestre, uma vez que a colheita da safra se inicia em abril”, explicou a empresa.

 

Brado logística

 

Os volumes da Brado Logística cresceram 25,5%, de 12,1 mil contêineres no primeiro trimestre de 2012 para 15,1 mil contêineres no inicio deste ano. No primeiro trimestre de 2013, o aumento do volume foi impulsionado pelos corredores da Bitola Larga, de Rio Grande e do Paraná, parcialmente compensado por uma redução no corredor do Mercosul.

O volume cresceu 61,6% no corredor da Bitola Larga, apesar de greves no Porto de Santos e de uma interrupção na rede ferroviária em um trecho próximo a Santos devido ao excesso de chuvas na região. “O crescimento do volume resultou principalmente do aumento do volume de soja, que representa uma grande oportunidade de mercado que a Brado está capturando no Mato Grosso”, explicou a ALL.

Nos fluxos de Rio Grande, o volume aumentou 38,7% no primeiro trimestre, impulsionado pela captura de novos clientes e pelo aumento significativo no transporte de produtos refrigerados.

No corredor do Paraná os volumes aumentaram 15,8%, impactados pelo trimestre positivo registrado nas operações de produtos refrigerados. Em TKUs, o volume da Brado cresceu 47,9% no trimestre, para 392,2 milhões de TKUs. O Ebitda Ajustado da Brado aumentou 18,5%, para R$ 10,3 milhões.

Além disso, dentre os principais investimentos em infra-estrutura da companhia, no segundo trimestre a Brado pretende iniciar suas operações em Rondonópolis e concluir a expansão do seu complexo logístico em Cubatão, próximo ao Porto de Santos.

 

Ritmo

 

Os volumes da Ritmo aumentaram 2,5%, para 17,3 milhões de quilômetros rodados no primeiro trimestre deste ano. No período, os volumes intermodais aumentaram de 121,8%, para 4,5 milhões, ou 26% do volume total transportado. Esse crescimento se deve principalmente aos maiores volumes agrícolas e ao início do Projeto Eldorado. O Ebitda Ajustado da Ritmo cresceu 13,4%, para R$ 6 milhões, impulsionado principalmente pelo aumento do volume e melhores margens.

Monitor Mercantil