Congestionamentos nos acessos ao porto de Santos fazem com que carga conteinerizada migre para a ferrovia

Nas últimas semanas, dez trens extras foram acionados para atender uma demanda de mais 300 contêineres, um incremento de 15% na movimentação ferroviária.

Que a acessibilidade portuária é o principal gargalo para a melhora da produtividade de um porto, todos já sabem. Mas, no maior da América Latina, assim como acontece em diversos outros complexos do País, os acessos terrestres apresentaram infraestrutura e logística deficientes. Na chegada ao cais santista as filas de caminhões ultrapassaram, nos últimos 20 dias, 25 km em rodovias como a Cônego Domênico Rangoni (principal pista de rolagem e acesso ao porto na margem esquerda). Resultado deste cenário: muitos embarcadores de cargas estão repensando suas operações e migrando para as ferrovias.
“Nos últimos 15 dias mais de 300 contêineres migraram do modal rodoviário para ferrovia gerando um crescimento de 15% em uma demanda que estava estagnada para a carga conteinerizada a três anos”, conta o diretor da Itri Rodoferrovia, principal operador ferroviário do porto de Santos, Washington Soares.
Diariamente, a operadora ferroviária já dispõe de um fluxo diário de 30 vagões no sentido Santos- Suzano. No curso inverso são outros 30 vagões para atender à programação de cargas de diversos exportadores da grande São Paulo. Mas, estes trens expressos com destino ao interior do estado, segundo Soares, não foram suficientes neste período dos congestionamentos quilométricos. “Para atendermos, por exemplo, às montadoras de automóveis que transportam do Guarujá a São José dos Campos precisamos de mais de dez trens, com 30 contêineres cada, deslocados em direção ao Vale do Paraíba”, explica.
Ainda segundo Soares, que também é vice-presidente da Câmara Brasileira de Contêineres, Transporte Ferroviário e Multimodal – CBC, toda esta carga que ficou paralisada por falta de escoamento rodoviário poderia ser dirigida para a ferrovia. “Mas não em caráter emergencial, por conta do problema de acessos, mas sim por se caracterizar como a solução logística mais adequada à carga.As vantagens para o embarcador ao usar a ferrovia, seja de forma unimodal ou multimodal, tendo o caminhão como parte do processo de transporte, vão desde a redução do custo logístico total até a diminuição do inventário dentro da zona primária, em área do porto organizado”, destaca.
Contudo, Soares concorda que, no caso das ferrovias que exploram o fluxo de transporte de contêineres, operadores (como a Itri) ainda dependem de uma melhor coordenação das manobras, dentro do porto organizado, onde “as concessionárias ferroviárias (MRS Logística e ALL) encontram-se em franca concorrência pela disputa de espaços de entrada e saída em ramais ferroviários dos terminais portuários”.
Para Soares, uma solução, de curto prazo, para desafogar as estradas que acessam o porto de Santos é a multimodalidade, com maior participação da ferrovia, “inclusive para o transporte de commodities agrícolas”, defende.
Ainda que menos comuns, parte das cargas que migraram para o sistema ferroviário nas duas últimas semanas eram agrícolas. “A problemática dos acessos e a falta de infraestrutura não é exclusividade do complexo santista. Também em outros estados muitos portos não estão devidamente preparados com acessos terrestres para receber, por exemplo, uma quantidade tão grande de grãos decorrente de uma boa safra, nem apresentam alternativas para melhorar a mobilidade de cargas. Por isso, a multimodalidade é uma ótima alternativa”, conclui.
Sobre a ITRI – Rodoferrovia e Serviços
A ITRI RODOFERROVIA é uma empresa sediada no Centro Histórico de Santos, junto ao maior porto da América Latina, o porto de Santos, que atua como operadora rodoferroviária e está também habilitada como Operadora de Transporte Multimodal com reconhecimento deferido pela ANTT – Agência Nacional de Transporte Terrestre.
A empresa dispõe de um contrato de transporte com a MRS LOGÍSTICA para o fornecimento diário de 30 vagões no fluxo Santos-Suzano, e no curso inverso outros 30 vagões para atender à programação de cargas de diversos exportadores da Grande São Paulo.
A ITRI possui exclusividade no uso de vagões protótipos do tipo (PDS/PDR) adaptados com travas de segurança, vagões que são específicos para o transporte de contêiner. Esta disponibilidade de ativos garante aos clientes o atendimento dos serviços de forma plena.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s